Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

florbytes

Gosto de andar sem pressa, ainda que a impaciência tenha pressa e corra comigo.

florbytes

Gosto de andar sem pressa, ainda que a impaciência tenha pressa e corra comigo.

"Air race"

20190914_160311.jpg

A Ribeira - Porto

O Douro, fica no fim das escadas que descem a rua.

Ali, os putos, mergulham em dias quentes de verão. Conhecem como ninguém a água fria do seu rio. Por ali matam horas de férias. E voam sem medo, aos mergulhos. 

Nadar? O que lhes resta de rio não dá para aventuras. 

Os tempos mudaram. O rio também. Para os putos que vivem na ribeira, os mergulhos ficaram, há muito, para intervalos entre atracagens de barcos turísticos.

Brincadeiras de rua ou jogos de bola? Esses foram anulados, por gente que é descarregada por ali, e que por ali permanece, em busca de um bilhete-postal para levar como recordação.

O turismo tomou, oficialmente, conta de toda a cidade. E o Porto já não é "nosso”. É de quem cá chega. De quem pernoita. De quem leva o que temos para oferecer. É, cada vez mais, de todos!

Temos abundância. Mais oportunidades. Mais negócios. Mais hotéis. Mais restaurantes. Mais emprego. Mais festa. Mais barulho. Mais excesso. Mais disto e até mais daquilo.

Mas também há menos. Muito menos paz. Menos gente da terra. Menos silêncio. Menos espaço livre. Menos Porto.

Quando oiço português já me surpreendo. E se por um lado tudo isto me alegra, pela vida que por ali se consegue, também me assusta o rumo a que nos leva.

Não reconheço nos rostos com quem me cruzo, o das “nossas gentes”. Parecem ter-se esfumado em pouco mais de duas décadas no meio desta multidão.

Observo a cidade a crescer para todos os lados. Há hotéis onde faz pouco tempo havia rochas como suporte de montes. Continuamos a roubar velozmente espaço ao que era da natureza.

Sinto o Porto pequeno para acolher tanta gente, e toda ao mesmo tempo. Não estaremos numa hora em que já temos mais olhos que barriga?

Por exemplo, porque não limitar o número de visitantes? Será possível? É desejável?

Não sei. Tenho dúvidas?!...

publicado às 01:02

O canto do rio...

 é meu canto também.

 

 

"O que me agrada no rio,
o que melhor me convém
nas suas águas de cio
e de tristeza também

é a cantiga de quem
viaja por desfastio,
sem saber que o mar além
seja distante ou vazio.

 

O rio não perde o fio
de tempo que vai e vem
entre a nascente e o ciicio
da foz qeu sempre contém

o que se quer como um bem
que, sendo embora tardio,
é sombra de peixe e tem
seu melhor tempo no rio."

 

Gilberto Mendonça Teles

publicado às 02:23

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D