Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

florbytes

Gosto de andar sem pressa, ainda que a impaciência tenha pressa e corra comigo.

florbytes

Gosto de andar sem pressa, ainda que a impaciência tenha pressa e corra comigo.

Tulipa nascida em 2018

20180227_143542.jpg  

Está molhada. Choveu hoje por aqui.

Esteve muito frio. Caía água do céu, gelada. 

Como conseguem que por cá as tulipas abram nos jardins nesta época?

Não sei!

Para mim também é um mistério.

Ou não?!...

Vejo-os a colocar as plantas na terra já quase floridas. (Adultas)

As minhas Tulipas são como as do Remus, estão ainda a despontar fora da terra e muito minorquinhas.

No entanto nos jardins públicos cá do Burgo as flores são fortes e lindas, com grandes pedúnculos.

Não tirei fotos ao jardim. De guarda chuva, com vento e após o almoço, apenas guardei esta de fugida.

Afixo a data de nascimento da planta e da foto: 2018

 

publicado às 20:53

Vamos à Sé de Braga

 

20180217_161420.jpg

Entramos? 

20180217_160026.jpg

20180217_161147.jpg  

20180217_160743.jpg

20180217_160704.jpg

20180217_161239.jpg20180217_155949.jpg

Visitar a Sé de Braga tem um custo.

Será muito?... Pouco?... Ou justo?

Naturalmente que, quem paga, acha sempre muito.

Em contrapartida, quem conserva e preserva pensa ser justo.  

Pessoalmente, acredito que, por si só, não chega sequer para manter estas grandiosas obras de arte.

Por isso, quando me interessa e posso, pago, não reclamo e entro. Assim como fazem os turistas no nosso país, ou quando somos nós os turistas noutras nações.

 

Contudo, apercebi-me de que nem toda a gente paga. Os locais (habitualmente identificado por paroquianos) e as pessoas que se deslocam com o intuito específico de orar, estão isentas do pagamento.

 

Por uma questão de organização, na entrada, as pessoas são abordadas sobre o motivo que as leva ao espaço principal, a igreja:

  • Se o objetivo é visitar, encaminham para a bilheteira; 
  • Se é para culto ou devoção, entram livremente.

 

Pareceu-me uma prática justa e adequada. Afinal de contas foi construída para e ainda continua a ser uma igreja. Quem a frequenta regularmente não deve ser obrigado a pagar bilhete para rezar a Deus ou aos Santos da sua devoção.

 

Já se somos turistas, curiosos e vamos passar tempo e passear pelo interior, pagamos como numa exposição normal de arte.

 

Mas nem toda a gente assim o entende. Há pessoas que não aceitam a abordagem do motivo da visita e o que os leva a querer entrar.

 

Assisti a uma acesa discussão e fiquei a pensar: Se a fervorosa argumentação fosse a contestar diretamente com Deus, talvez mesmo Ele ficasse a perder, tal a convicção de fundamentos.

Se havia ali uma intenção de entrar e orar, pedir ajuda ou perdão, ficou o dito por não dito. A raiva tomou conta do momento. E onde devia haver paz, explodiu um conflito.

  

Quem está no atendimento tem orientações no sentido de cumprir normas. E, no final de contas, é um trabalho com obrigações a cumprir, tal como nos de qualquer pessoa. Mas às vezes custa-nos entender. Ou, pelo menos, tentar entender, aceitar e respeitar.

 

publicado às 00:01

Está tudo bem lá em casa ou alguém bateu com a cabeça?

20180217_184632.jpg

"Limpar o mato e cortar árvores: 50 Metros à volta das casas"

"Limpar as copas das árvores 4 metros acima do solo e mantê-las afastadas pelo menos 4 metros umas das outras"

"Cortar todas as árvores e arbustos a menos de 5 metros das casas e impedir que os ramos cresçam sobre o telhado"

Assinado:ATA (Prevenção de incêndios)

 

Tenho uma árvore no jardim (não tenho espaço e por isso tenho poucas). Cresceu e escostou-se à varanda. Tem tantos anos como a casa onde habito. Dizem que é uma espécie protegida, azevinho. Passa acima do telhado uns três ou quatro metros, sei lá?!...

Moram lá pássaros e rolas. Os melros também lá páram.

 

Se a vou cortar? Não. Não vou cortar.

Se fosse a ler e a colocar em prática o que diz este aviso: Cortava!

 

Aguardo um aviso menos redutor. Mais informativo. Menos explosivo.

Explosão? Bastou as do verão passsado!

 

Assim como não cortei os arbustos que habitam a foto que tirei. É que nem aquele ramo pequenito que fica ali em cima à esquerda. Porquê?

Porque se mora lá e não me fez mal nenhum. Não sou eu que o corto.

Reclamem para aí!

VAMOS DE OITO A CENTO E OITENTA

Atenção: mais de 120 é excesso de velocidade, ok?!

publicado às 01:29

Pág. 1/2

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D